segunda-feira, 11 de fevereiro de 2013

Faleceu Jürgen Untermann, um grande estudioso das línguas paleo-hispânicas


          Faleceu, na quinta-feira, dia 7, serenamente, ao começo da tarde, em sua casa, em Pulheim, na Alemanha, com 84 anos de idade (24-10-1928 / 07-02-2013), o Prof. Jürgen Untermann, eminente linguista que dedicou toda a sua vida ao estudo das línguas pré-romanas da Península Ibérica. Esteve, naturalmente, por diversas vezes em Portugal, tendo-se interessado muitíssimo quer pelos textos aqui encontrados em língua dita «lusitana» quer, de modo especial, pela chamada «escrita do Sudoeste», exarada em estelas identificadas no Sudoeste peninsular, designadamente no Alentejo e no Algarve.
Para além do seu saber e do seu intenso labor científico, Untermann irradiava em torno de si, desde o primeiro momento, uma enorme simpatia e sempre teve o condão de formar discípulos e de fazer interessar muitos pela investigação a que de alma e coração se dedicou. Era o Amigo, o Professor atento e interrogante, que lançava hipóteses com uma humildade imensa, na perspectiva de contribuir para o avanço do conhecimento mas jamais com a pretensão de se apresentar como o ‘depositário único’ desse conhecimento. Educava para a liberdade crítica, judiciosa e serena.
Um dos seus primeiros trabalhos, Elementos de un Atlas Antroponímico de la Hispania Antigua (Madrid, 1965), é citado ainda hoje como obra de referência, pois que, embora se tenham multiplicado muito os testemunhos dos antropónimos aí tratados, o certo é que permanecem válidas as conclusões retiradas já nesse longínquo 1965 em relação, por exemplo, às influências detectadas com vista à determinação de áreas linguísticas.
Foi um dos grandes motores dos colóquios sobre línguas e culturas paleo-hispânicas, a cuja comissão coordenadora, de cariz internacional, presidiu durante longos anos e só a pouca disponibilidade para fazer viagens é que o impossibilitou de estar fisicamente presente no XI Coloquio Internacional de Lenguas y Culturas Prerromanas de la Península Ibérica, que se realizou em Valência, de 24 a 27 de Outubro, p. p.
Importância marcante teve a sua obra monumental, os Monumenta Linguarum Hispanicarum, publicados em Wiesbaden, o I volume em 1975 e o IV, em 1997 (Band IV. Die tartessischen. keltiberischen und lusitanischen Inschriften). Logrou ainda terminar o último, dedicado à toponímia.
Tivemos, em 1993, já lá vão dez anos, a oportunidade de o homenagear – com o volume «Novedades y correciones en la teonimia galaica. Studia paleohispanica et indogermanica J. Untermann ab amicis hispanicis oblata», publicado em Barcelona. Mas não há dúvida que a nossa maior homenagem será, para os crentes, elevar por ele uma prece; e, para todos, saber colher o exemplo da sua abnegada vida.
Como escreveu o Prof. Javier de Hoz, actual presidente da atrás referida comissão, «hasta el último momento ha sido un gran hombre y un gran sabio y nuestros estudios se quedan un poco huérfanos. Tendremos que pensar en cómo dedicarle en España un recuerdo que nunca será el último.».
Que descanse em paz!

O casal Untermann, em sua casa de Pulheim, com o epigrafista romeno Ioan Piso (Maio de 2012) [gentileza de I. Piso]
 
Publicado no Cyberjornal, edição de 10 de Fevereiro de 2013:

 

Sem comentários:

Publicar um comentário