sexta-feira, 21 de junho de 2024

Renascimento

             Já são mais de 300 as crónicas que este jornal me albergou e ainda não me interrogara sobre qual o motivo porque lhe terão dado esse nome. Constará das crónicas; estará, eventualmente, explicado no editorial do 1º número. Prefiro, todavia, atribuir-lhe eu uma razão, passível – ou não – de acertar no prognóstico.
            Explico-me.
            Nas pausas da escrita, deambulo pelo jardim e admiro o evoluir das plantas e, sobretudo, das flores: ontem, era botão, hoje desabrochou; ontem, ostentava as pétalas ao vento num chamariz de insectos para os estames gulosos, hoje está com vontade de me dizer que o seu ciclo vistoso por ora acabou. Mal a luminosidade dá em diminuir há pétalas que se recolhem, como pestanas a proteger a visão, há folhinhas que se encostam umas às outras, num acoitar protector…
Cycas revoluta
          
            Muito me apraz saudar, pelos finais de Maio, a cycas revoluta, nome científico de uma palmeirinha anã, de jeito pré-histórico, qual bonsai. O nome comum é sagu-de-jardim. Do tronco lhe saem compridas folhas, alargando-se em pavoneante copa. E por esses finais de Maio, chama-me: é que o meio do tronco se prepara para eclodir e, mui suavemente, em movimento lentíssimo e imperceptível, as folhinhas muito chegadas unas às outras, protegidas por um manto de penugem (dir-se-ia), vão crescendo e desprendendo-se. Fotógrafos especialistas da vegetação decerto já puseram uma câmara ao pé para, no decorrer dos dias, a objectiva ir disparando e proporcionando, assim, a visão acabada do que é, a meu ver, uma verdadeira maravilha. Semanas após semanas, até o verde viçoso se espreguiçar em leque.

            Daí me surgiu a palavra. «Renascimento», para título de jornal regional, é auspício e é programa de luta:
– auspício, por cada número veicular notícia de iniciativas inovadoras, vontade de renovação dinâmica;
– programa de luta, porque há que espicaçar os menos audazes, sugerir outros caminhos, apontar metas, sacudir da modorra em que amiúde há a tentação de se ficar.
A carruagem está em andamento? Deixemo-la ir, que a inércia se encarregará do empurrão. Não é verdade: o movimento da inércia não é, como poderia pensar-se, mais veloz à medida que se aproxima do fim: vai adormecendo, adormecendo. E esse adormir já não interessa a ninguém.

                                                           José d’Encarnação

Publicado em Renascimento (Mangualde), nº 866, Junho de 2024, p. 10.

quarta-feira, 19 de junho de 2024

Alfarroba

Que poderá incluir-se numa crónica a que se dê o título de Alfarroba?
Sei que o nome já foi adoptado para designação de estabelecimentos comerciais. Acerca da genuína e antiga utilização do fruto para alimentação dos animais domésticos – o porco, o burro, a mula, o cavalo… – nada poderá acrescentar-se, a não ser garantir que isso foi outrora e, nos nossos dias, à alfarroba se reservam outras especialidades mais gostosas e de maior rendimento, que as bestas se alimentam agora com rações artificiais, genericamente alteradas. Estamos conversados.
            Consegui que, num dos recantos ajardinados do meu bairro suburbano, se preservasse a alfarrobeira que por lá espontaneamente crescera, ao pé duns carrascos. Também no Casal Saloio de Outeiro de Polima, o Centro de Interpretação do Espaço Rural de Cascais, se implantou no pátio interior uma oliveira e uma alfarrobeira, árvores simbólicas, na intenção de lembrar que, nessa região saloia, muito sangue algarvio ainda corre. A do Casal não vi bem como é; a do meu bairro é brava, não dá alfarroba de jeito, não floresce como deve ser para atrair abelha.
            O que, de facto, mais me encanta na alfarrobeira é precisamente esse cheirinho acre, bem activo, das suas flores e as abelhas a não resistiram ao convite dos suculentos estames. A do meu bairro não tem.
            Comi alfarrobas em criança, quase por brincadeira (confesso). Um sabor áspero, farinhento… Dispomos agora de licor de alfarroba, de biscoitos de alfarroba, de creme de alfarroba, tabletes... E pugnamos para que a ladroagem se não atreva a varejar árvores alheias…
            Diligenciei, com êxito, para que a palavra ‘folharasca’ entrasse no Dicionário Digital das Língua Portuguesa em permanente actualização pela Academia das Ciências de Lisboa. Foi acolhido, como regionalismo algarvio, no sentido de «conjunto das folhas secas da alfarrobeira caídas». Aí se justifica a inserção com a seguinte passagem d’O Dia dos Prodígios, de Lídia Jorge: «Macário caiu de joelhos às abas de uma alfarrobeira submersa em folharasca» (1995, p. 195).
            Rezam os outros dicionários que – como se suspeitava – a palavra vem do árabe: al-carroba, alkharrub. Por isso não estranhamos em ver escrito num rótulo CAROB – qual tentação mediterrânica! E que tentação, senhores!

                                               José d’Encarnação

Publicado em Notícias de S. Braz [S. Brás de Alportel], nº 331, 20-06-2024, p. 13.

segunda-feira, 20 de maio de 2024

O hífen e o travessão


            Contestei, em Agosto de 2012, a correcção que me fora feita num texto: haviam posto um hífen onde eu queria um travessão. Foi-me respondido que a revista, por ser editada por um organismo oficial, tinha de seguir as regras da NP 405-1 de 1994. Como perguntei junto de quem eu poderia protestar contra uma dessas regras que está errada, foi-me dito que «o protesto deverá ser enviado para o editor da norma, o Instituto Português de Qualidade, ou para a Biblioteca Nacional de Portugal». Da BNP não obtive resposta.

Não é fácil a escolha entre hífen e travessão e, por isso, nem sempre o algoritmo dos processadores de texto acerta. O normal é pôr hífen e tem de ser o escrevente a alterar quando há erro.
Na gramática, vêm explicados os casos em que o hífen se usa: por exemplo, «para indicar, no fim de linha, a divisão da sílaba», «para ligar os pronomes enclíticos às formas verbais» (lavo-me). Geralmente não se registam anomalias nesse uso por ser vulgar, o algoritmo foi bem programado; anote-se, todavia, que o novo acordo ortográfico suprimiu o seu uso «para ligar a preposição de às formas monossilábicas do presente do indicativo do verbo haver»: escreve-se agora hei de, hás de, há de, hão de.
O travessão, por seu turno, «serve não só para chamar a atenção para a palavra ou palavras que se seguem, mas ainda para, nos diálogos, indicar a mudança de interlocutor. Pode substituir o parêntesis.
E é aqui que amiúde se erra. Ora veja-se a frase: «O António – que é um excelente rapaz – telefonou-me». Neste caso, amiúde, o algoritmo não fecha o inciso com travessão mas com hífen e é preciso o autor estar bem atento para não deixar passar o lapso.
Uma regra simples pode ser esta:
– O hífen está sempre ligado à palavra, não se deixa espaço: ‘telefonou-me’;
– O travessão, ao invés, nos textos em português (em castelhano, é diferente), deve ter sempre espaço antes e depois.
Verifiquem-se dois aspectos, no que se acaba de ler: como se tratava de uma enumeração, usou-se no início o travessão; contudo, o algoritmo não mudou automaticamente do hífen para o travessão; tive de ir, no teclado, aos símbolos ou accionar ctrl + hífen para lograr pôr travessão.
Como dá muito ‘trabalho’ (!), o mais corrente é… que não se ligue importância a isso – e Deus seja louvado!

                                                                                               José d’Encarnação

Publicado no jornal Renascimento, de Mangualde, edição nº 865, 15-05-2024, p. 10.

 

 

Irás vencerás não morrerás

             A frase escolhida para título desta crónica tem uma história – real ou inventada – sobejamente conhecida.

           Atribuída a oráculo proferido pela pitonisa de Delfos, em resposta à consulta de um soldado (segundo uma versão) ou dos conselheiros de Alexandre-o-Grande (segundo outra), é amiúde citada para demonstrar o valor da vírgula.

           De facto, sem vírgulas a frase tem dois sentidos opostos, dependendo do sítio onde a vírgula se puser:
1)      Irás vencerás não, morrerás
2)      Irás vencerás, não morrerás
Dir-se-á que tudo isso é tão comezinho que não justifica nova crónica.
           Quiçá justifique, se atentarmos no desleixo generalizado que se verifica quanto ao uso da vírgula. Mesmo pessoas altamente instruídas caem, por exemplo, no erro de separar o sujeito do predicado por meio duma vírgula e não sabem quando é que depois do pronome relativo se deve – ou não – pôr vírgula.

           Por isso, merece pensar-se no uso da pontuação.

           Há regras. Importa aplicá-las na linguagem escrita, que se quer escorreita.

           Lembro-me que alguém desabafou: «Que chatice! Ele está sempre a pôr vírgulas!». Outro confidenciou-me: «Isso nos poemas a pontuação atrapalha tudo!». E um terceiro perguntava-me: «Leste o ‘Memorial do Convento’?».

           Respondo:
Aceito que o poeta não queira usar pontuação, como o pintor pode não dar título a um quadro. Ambos preferem dar liberdade: cada qual entenda como quiser. Acham que essa liberdade enriquece a obra. Aceito.

Uma coisa é, todavia, a linguagem escrita dum texto científico, normal, outra a linguagem literária. De facto, tanto Saramago como Lídia Jorge usam a pontuação para se aproximarem da linguagem oral. Nos seus livros, o ponto equivale a uma pausa na fala, mesmo que seja a meio da frase.

Em suma, não basta ter aprendido a escrever. Expressar-se por escrito exige prática, atenção e, sem dúvida, algum esforço. Não admira, por isso, que se esteja a recorrer cada vez mais aos emojis, que é como quem diz: «Interpreta à tua vontade! Mando-te um grande coração vermelho; interpreta ‘gosto’, ‘amo-te!’, ‘adoro-te!’, ‘gosto de ti!’ – como quiseres. Confesso, no entanto, que por palavras fica tudo muito mais explícito. E eu sempre prefiro um «adoro-te!» a um mero «gosto de ti!». O coração vermelho, ao ter tudo, acaba por nada ter. Fica-se na dúvida. E é chato!

 

                                                           José d’Encarnação

Publicado em Notícias de S. Braz [S. Brás de Alportel], nº 330, 20-05-2024, p. 13.

 

Classificar? – Não!

           Há, com muita frequência, a ideia de que promover a classificação de um sítio ou monumento como de «interesse público» ou «de interesse nacional» ou, mesmo, como «monumento nacional» constitui a forma mais adequada e certeira de esse sítio ou edifício virem a ser, de facto, mais bem preservados e até venham a obter-se para o efeito, alguns desses fundos largamente publicitados e nem sempre aplicados (pensa-se!...) por não haver espírito de iniciativa.
            Errado!
            Primeiro, porque o caminho até à classificação é mais longo que a légua da Póvoa; depois, porque, classificação conseguida, mais longo ainda é o caminho para se lograr obter algum proveito.
Na verdade, importa não esquecer que as várias secções dum ministério – qualquer que ele seja! – estão atafulhadas de processos até ao tecto e as secretárias, se não estão vazias por falta de pessoal, têm lá um senhor ou uma senhora postados diante de uma rima de processos que não sabem por onde é que hão de começar!
            Depois, há a legislação! Decretos, portarias, despachos, complementos a despachos, decretos regulamentares… Alto, que ‘decretos regulamentares’ é o que menos há e, sem eles, as determinações do decreto correspondente não se conseguem concretizar. Uma floresta virgem ou um velho castelo cheio de alçapões e portas estreitas e portas disfarçadas em paredes…
            Conclusão: não caia na esparrela, não proponha a classificação de coisa nenhuma.
            Dou dois exemplos das centenas que poderiam aduzir-se e estou certo que cada um de nós é conhecedor de dois ou três casos.
Uma colega minha herdou um mosteiro; caiu na asneira de propor a sua classificação, na esperança de que o Estado corroboraria na sua preservação. Errou! Nem o Estado corrobora nem ela pode mexer uma palha sem colher pareceres e mais pareceres dos técnicos ministeriais. Sim, daqueles que têm a tal rima de processos à frente. E o mosteiro vai-se arruinando. E a minha colega a perder a esperança.
Em Cascais, também alguém sugeriu a classificação do parque envolvente do Museu Verdades de Faria. Conseguiu. Agora o que a Câmara não consegue é que o Ministério do Ambiente gize um plano (sim, têm que ser os técnicos do Ministério a gizar!) para acudir às muitas mazelas há anos ali acumuladas. O presidente da autarquia já ameaçou e ele é bem capaz disso: «Demoram? Eu arrisco!». Abençoado!

                                               José d’Encarnação

Publicado em Notícias de S. Braz [S. Brás de Alportel], nº 329, 20-04-2024, p. 13.

terça-feira, 7 de maio de 2024

As bicadas de Camilo

            Houve um sábio que escreveu: “Temo o homem dum só livro". Já se não sabe bem quem foi; a máxima não deixa, contudo, de ser válida, independentemente de quem a concebeu. Plasma a frase a convicção de que se tratará de alguém cabeçudo, avesso à pluralidade.
Gosto, porém, de pensar que tem cada um de nós um livro de cabeceira, de leitura frequente, ainda que não única.
Aconteceu-me que, ao dar uma vista de olhos pela estante, Noites de Lamego me chamou a atenção e decidi voltar a ler, agora, evidentemente, com olhos bem diferentes dos que eu tinha em Julho de 83.
          Interessaram-me, sobretudo, as bicadas de Camilo Castelo Branco. E de duas delas, de carácter político, ora se dá conta, ainda que sabendo ser A Queda dum Anjo, o suprassumo da sua sagacidade.
Sagrara-se vitorioso o Duque de Saldanha, arauto da Regeneração. E logo “todos os talentos e capacidades se identificaram com a regeneração; triunfaram em 1851 às ideias de 1846”. Gonçalves Basto, porém, que, no seu jornal, tanto apoiara o  “dadivoso duque”, foi esquecido pelas suas mãos-rotas, ele que até já fora cônsul em Vigo e condecorado na Ordem de Nossa Senhora de Vila Viçosa!
Do comendador Inácio José Leituga, do concelho de Cinfães, “pessoa abastada, bom vizinho e de mui sãos costumes e notória cristandade” conta Camilo que, após ter dobrado, em doze anos, a sua fortuna, “a consideração pública no seu concelho tocou o apogeu. Foi juiz ordinário em 1841, administrador em 1844, presidente da Câmara em 1845 […], foi comendador da Conceição em 1852 e eleito deputado […] em 1854”.
Nessa condição, acreditado “pela modéstia e sisudeza do silêncio”, “conseguiu empregar uns dezanove parentes que tinha em dezanove lugares. Virtude rara! Porque há deputados que fazem despachar dezanove parentes para trinta e oito lugares.”

Estava-se em meados do século XIX.

 

José d’Encarnação

Publicado em Renascimento (Mangualde), nº 864, 01-05-2024, p. 10.

 

domingo, 21 de abril de 2024

Palavras e expressões

            Recordo amiúde a história que Laborinho Lúcio nos contou, aquando da visita do Curso de Conservador de Museus ao Centro de Estudos Judiciários, que na altura dirigia, sobre a necessidade de os juízes se inteirarem dos significados locasis das palavras e expressões.
            O juiz recém-chegado a Vila Real de Trás-os-Montes manifestou a sua perplexidade por o queixoso ter posto processo por difamação contra um vizinho, por este lhe ter chamado «minhoto»:
            – Eu não percebo! O nosso escrivão também é minhoto e não se rala nada com isso!
            O Minho é, como se sabe, uma região onde abunda o gado bovino…
            – Está bem, eu ponho no jacó!
            Também esta resposta pode causar surpresa ao recém-chegado a Coimbra. Jacó é o nome popular dado ao caixote do lixo e ao cesto dos papéis, desde que, em Outubro de 1929, o presidente da Câmara, João dos Santos Jacob, propôs a criação dos recipientes para o lixo, que o povo logo começou a chamar «jacós».
Mantendo-nos em Coimbra, igualmente surpreenderá ouvir «depois tens uma cortada à esquerda e vais por aí». Cortada é travessa, atalho, na nomenclatura da Lusa Atenas; quiçá, uma boa alternativa ao estrangeirismo «link» dos computadores…
– Amanhã, dás-me boleia?
Poucos saberão, porventura, a origem da expressão. Boleia era, nas antigas carruagens, o pequeno assento ao lado do condutor, amiúde usado para levar quem não tinha outro transporte e, por isso, ‘apanhava uma boleia». Já no Brasil, o termo é carona. Poderá ter origem parecida à da boleia em Portugal, porque aí se chama de carona uma peça do arreio que se coloca por baixo do lombo do animal. Creio, pois, sem lógica a hipótese de a palavra vir do castelhano e, este, do latim «caro», que significa carne, como os dicionaristas sustentam.
– Levas-me aí um sopapo, que até vais a nove!

Foi numa visita de estudo do Curso de Museologia ao Museu do Eléctrico, no Porto, que percebi o verdadeiro significado da palavra: no volante do guarda-freio, 9 é a velocidade máxima que o eléctrico dá!

                                                                       José d’Encarnação

Publicado em Renascimento [Mangualde], nº 863, 15/4/2024, p. 10.